domingo, 29 de janeiro de 2012

UMA BOA FESTA

Divirta-se  lendo  os  conselhos  de Danuza  Leão  para organizar  um  festa  de  sucesso!         
     Qual a razão para se dar uma festa?  E qual a receita para uma boa festa?   Bem, depende, mas algumas coisas são fundamentais: um espaço razoável para que as pessoas possam, pelo menos às vezes, se sentar; e bebida, quanto mais farta melhor, para desinibir os inibidos. Comida  é o de menos; o mais cômodo mesmo é uma mesa com canapés, frios, para cada um comer na hora que quiser. Afinal, quem vai a festas para comer? O gelo é mais importante que tudo. Seja qual for seu orçamento, reserve 50% só para esse item. Compre centenas de sacos, empilhe no quarto da empregada, encha a banheira - tudo para que não haja, em nenhum momento, aquela cena deprimente de um copo de uísque com uma pedra boiando, solitária! Se isso acontecer, é o fim da festa - e que triste fim.
     Capítulo música: se for animada demais, do tipo ( obriga as pessoas a dançar, maravilhoso, mas péssimo para quem está querendo conversar. E, se for aquele fundo musical  de elevador e algum convidado se exce- der na bebida (e tomara que sim, pois festa muito bem comportada é o pior que pode haver), como extrava- sar toda aquela adrenalina a não ser dançando?!

   Vamos à lista de convidados - e é aí que começa a encrenca. Se você está numa fase de casada e mais o menos feliz (só mais ou menos), claro que não vai convidar periguetes nem um grupo de surfistas - se com- vidar, estará procurando sarna para se coçar. Ela, com saias de 10 centímetros de comprimento, sem meias, decote no umbigo e ar de quem não leva filho ao dentista, não vai à feira e nunca ouviu falar do preço de 1 quilo de picanha, estão ali só para inspirar os mais desbragados sentimentos de cobiça nos homens - ou seja, no seu marido e no marido de suas melhore amigas. Não, isso só se faz com as inimigas. E os surfistas, cheios de saúde e de amor para dar? Não preciso falar do bom humor que trariam aos maridos, Mas uma festa só de casais felizes, qual é a graça? Casais felizes devem ficar em casa, de mãos dadas, vendo um filme na televisão e ir a jantares, não a festas.

     Agora, se você é solteira e gosta de uma confusão, aí sim, a festa pode ser um sucesso. Atenção à lista de convidados: casais, só se estiverem no auge da paixão e, como a festa é sua, convide algumas (só algumas) periguetes, sim, e muitos surfistas, todos lindos. Se sua agenda de telefones estiver meio pobre, peça para cada amiga trazer um amigos. Os rapazes não vão gostar,  mas é exatamente o que fazem quando a festa é deles.
     Lembre: é um risco chamar aquele casal que acabou de se separar e que vive proclamando estar felicíssimo com a nova solteirice. Os dois vão beber muito (e mal) e a consequência será uma das duas: ou vão terminar juntos de novo, o que é sempre bom, ou vai rolar sangue.
          E vamos combinar que, quando uma mulher solteira inventa de fazer uma festa - que dá o maior trabalho, estressa e custa dinheiro -, o objetivo tende a ser um só: arranjar um namorado novo. O que, aliás, costuma acontecer, e é ótimo.

          (Revista Cláudia, janeiro de 2012)





0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial