sexta-feira, 22 de julho de 2016

DETALHES TÃO PEQUENOS

      O egoísmo e o orgulho são duas chagas do ser humano que facilitam não sermos felizes. Para vencermos o egoísmo, é preciso desenvolver a benevolência. Para acabarmos com o orgulho será necessário cultivarmos a humildade. Vivemos dias difíceis em nosso país e, com isso, passamos de indignados a desanima- dos. Corrupção, violência, desamor, onde o cada um por si é a regra, nos causam muitas vezes uma paralisia patológica em nossas emões positivas.
     Só reclamamos! Nosso relacionamento conosco e com os outros, torna-se negativo, vin-gativo. Nos enfurnamos em nós mesmos. Desistimos de ser felizes. De olhar a vida como uma possibilidade positiva a partir de uma decisão pessoal de pensar, sentir e agir diferente.
     Façamos, neste fim de semana, uma varredura em nossas emoções negativas e destru-tivas. Adianta você ficar assim? Vai mudar alguma coisa para melhor? Claro que não! Então porque persistimos, aceitando só o mundo cruel que nos impõem a mídia e os outros?
     Roberto Carlos já cantava "detalhes tão pequenos de nós dois" nos remetendo a uma paixão por alguém. Aqui gostaria de ampliar esta paixão: um amor muito grande pela vida. pelo outro que está em minha vida. Um familiar, um amigo, alguém necessitado de reconhecimento, um vizinho que nדo visito mais. Enfim, um outro que, na verdade, está dentro de mim  espera da minha decisão de nos fazermos felizes. Quem sabe um pequeno gesto de carinho, um alô pelo celular, um e-mail, um toque com ternura? Uma ponte sobre o rio gelado para que o outro sinta o calor humano que queima em você.
    Que nesse fim de semana possam teus gestos, o teu agir, servir de pontes entre teus sentimentos de amor e o que está aí ao teu lado. Lembra da história daquele homem que de manhã chegando a uma praia se depara com centenas de estrelas do mar deixadas na areia pela maré. Muitas já morrendo, pelo calor do sol! Nisso, ele vê um menino que, rápido, atirava uma estrela do mar para dentro d’água. Impressionado com a cena, perguntou ao jovem:
     - O que estás fazendo? São centenas delas! Não vais conseguir salvá-las!
      E o menino respondeu;
    - Mas para esta eu faço a diferença - e atirou a estrela no mar.
 (José  Otávio  Binato  -  Diário de Santa Maria, 19/06/2016)

quarta-feira, 6 de julho de 2016

DISTÂNCIAS

 

   Ouvi um cara dizer, num programa de TV sobre tecnologia, que o conceito de distância, tal como eu e os de minha geração o aprendemos, está extinto. Hoje você checa no Facetime do celular e, numa fração de segundos, fica cara a cara com alguém que pode estar do outro lado do mundo. Havia, no tal programa, uma penca de garotos explicando o uso de muitos outros aplicativos de que nunca ouvi falar. Não é Skype não, que isso já está velho e batido - embora sejam variações do mesmo milagre de pôr as pessoas em contato visual imediato, como nos desenhos animados e nos filmes de ficção científica que assisti na infância, quando aquela cruza de televisão com telefone era uma proeza futurista.
   Pois não é que o futuro veio num zás? E já chegou radicalizando a predição que Marshall McLuban fez, em meados do século passado, segundo a qual os meios de comunicação de massa redefiniriam os conceitos de tempo e distância, e nos levariam a um processo de retribalização, pois estaríamos todos, independentemente das barreiras geográficas que nos separam, vivendo na mesmíssima aldeia global. E olha que ele estava falando de rádio e televisão, sem ter a menor ideia de que um dia poderia existir algo parecido com a internet.
   Dias atrás, no saguão de embarque do Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, eu vi uma senhora italiana de uns 60 anos falando, via Facetime, com o pai dela, um velhinho que deve ter quase 90. A mulher comia um sanduíche e punha o celular em pé, no colo, para que o pai lhe fizesse companhia durante o lanche., e a visse abocanhar nacos de pão. Pelo que entendi, ele estava em Roma, e a filha lhe dizia que estava a caminho do Rio de Janeiro. Ambos se divertiam com o brinquedo tecnológico e faziam troça da distância, ou da falta dela, tendo o pai pedido à filha um pedaço do sanduba, abrindo a bocarra para dar mordidas virtuais e, em seguida, gargalhar a valer.
    Na fileira de cadeiras bem defronte, uma moça triste e um homem sério, sentados lado a
lado, estavam, cada um em seu celular, mergulhados em suas contas do Instagram, passando fotos em sequência com os dedos, no mesmo movimento ritmado. Só me dei conta de que eram um casal quando a mulher cutucou o homem para saber se ele estava com as passagens, no que recebeu uma resposta atravessada. Acho que são cariocas. Acho que são casados. Acho que vivem juntos. Apesar da fenda abissal que abriram entre uma cadeira e outra.
   McLuhan não sabe de nada. A Roma do velhinho está ao alcance dos olhos da filha. Mas o Rio da moça triste e o Rio do homem sério ficam em planetas diferentes.

 (Marcelo  Canellas – Diário de Santa Maria, 12/06/2016)

quarta-feira, 29 de junho de 2016

APAIXONAR-SE POR UMA MULHER

         Uma bela crônica em que o autor declara seu amor a uma mulher e ensina aos outros homens o que é amar verdadeiramente uma mulher.
  
   “Don Juan De Marco" é um filme de 1994, com Johnny Depp, Marlon Brando e Faye Dunaway. É a história de um louco e de seu psiquiatra. É, na verdade, uma aula de como nós, homens, devemos amar uma mulher. É belíssimo! É só entrar no YouTube e conferir.
   Se você é casado/a), faça o seguinte: mande os filhos para a vó, para o shopping e façam uma sessão pipoca com direito até a um bom vinho! Assistam juntos em baixo das cobertas aquecidas pelo amor que sempre há de existir entre os dois. Assistam a todo o filme sem interrupções, certo? Nada de preliminares!
Agora, você interrompa a leitura da crônica. Vá até o computador, entre no YouTube e pesquise a canção Have You Ever Really Loved A Woman, de Bryan Adams, e chame a sua cara metade para ouvirem juntos a música do filme. A letra é um poema de amor que eu dedico a minha namorada Marisa. Ali está tudo o que eu gostaria de dizer e fazer em todos os dias de nossas vidas.
Para realmente amar uma mulher, para entendê-la, você tem de conhecê-la profundamen-te por dentro! Ouvir cada pensamento, ver cada sonho e dar-lhe asas quando ela quiser vo-ar! Então, quando você se achar repousando desamparado em seus braços, você saberá realmente que ama uma mulher! Quando você ama uma mulher, você lhe diz que ela é realmente desejada. Que ela é a única! Ela precisa de alguém para lhe dizer que vai durar para sempre!
Então me fale se realmente você já amou uma mulher. Para realmente amar uma mulher, deixe ela te abraçar até você saber como ela precisa ser tocada! Você tem que respirá-la, realmente, saboreá-la até que possa senti-la em seu sangue. E quando você conseguir enxergar seus futuros filhos em seus olhos, você saberá que realmente ama uma mulher. Você tem de dar a ela um pouco de confiança. Abrace-a apertado, dê-lhe um pouco de
ternura
. Você tem que tratá-la bem. Ela vai estar lá para cuidar bem de você. Você real-mente precisa amar sua mulher.
 Marisa! Que possamos continuar enamorados hoje e sempre! Que os anjos desçam do céu e derramem todas as bênçãos sobre nós e sobre todos os que se amam. Quando eu te olhar lá bem dentro da tua alma, que todos os amantes possam se comprometer em fazer o outro feliz! Como nós fazemos um ao outro felizes!

(José  Otávio Binato – Diário de Santa MARIA, 12/06/2016)

segunda-feira, 20 de junho de 2016

A GOTA D’ÁGUA E O GRÃO DE AREIA

   
  Quando fazemos uma faxina em casa, normalmente fazemos a maior bagunça, mas o resul-tado final sempre nos deixa cansados, porém, felizes. Tudo limpo, arrumado, no lugar certo. É uma maravilha! Então porque é tão difícil arrumar nossa casa mental?
  Organizar nossas emoções, entender nossos sentimentos, conhecer-se melhor ainda são desafios para cada um de nós. Muitas vezes, precisaremos pedir ajuda, e os profissionais da saúde mental estão ai para nos auxiliar nessa caminhada. Na maioria das vezes, estaremos diante de nós mesmos, percebendo nossas dificuldades ou nossas coisas boas.   Arrumar a casa dentro de um conceito ético-moral é transformar nossa sombra em uma luz que permita continuarmos nossa evolução espiritual como seres humanos. É viver no mundo sem que os outros nos imponham seus próprios padrões de pensamento e de comportamento. Não só decidir ser melhor, mas também todos os dias realizar pequenas, mas significativas, mudanças.
  Deixo alguns objetivos que podem ser alcançados pela intenção de mudar e pela coragem de iniciar. Alegria, desapego, sabedoria, paciência, afetividade, auto-conhecimento, respeito, liberdade, lucidez, naturalidade, humildade, compaixão, coragem, compreensão, individualidade, segurança, renovação, criatividade, perdão, amor, generosidade e aceitação são algumas qualidades positivas que podem ser buscadas a cada dia. Enquanto não podemos arrumar toda a casa, quem sabe possamos ficar em uma peça? Quem sabe um móvel de cada vez? Mude para você!           .
   Os outros têm dificuldades de perceber teu esforço em vencer tuas más inclinações. Não se magoe nem se diminua. Sinta a plenitude de ter conseguido vencer a si mesmo. Uma' gota d'água tem de sentir a sua importância diante da imensidão do oceano, assim como o grão de areia é fundamental para o deserto imenso. Você é muito importante para o Uni- verso de Deus. Comece hoje! Muita paz neste fim de semana!
   Quando fazemos uma faxina em casa, normalmente fazemos a maior bagunça, mas o resultado final sempre nos deixa cansados, porém, felizes. Tudo limpo, arrumado, no lugar certo. É uma maravilha! Então porque é tão difícil arrumar nossa casa mental?
   Organizar nossas emoções, entender nossos sentimentos, conhecer-se melhor ainda são desafios para cada um de nós. Muitas vezes, precisaremos pedir ajuda, e os profissionais da saúde mental estão ai para nos auxiliar nessa caminhada. Na maioria das vezes, estaremos diante de nós mesmos, percebendo nossas dificuldades ou nossas coisas boas.    Arrumar a casa dentro de um conceito ético-moral é transformar nossa sombra em uma luz que permita continuarmos nossa evolução espiritual como seres humanos. É viver no mundo sem que os outros nos imponham seus próprios padrões de pensamento e de comportamento. Não só decidir ser melhor, mas também todos os dias realizar pequenas, mas significativas, mudanças.
  Deixo alguns objetivos que podem ser alcançados pela intenção de mudar e pela coragem de iniciar. Alegria, desapego, sabedoria, paciência, afetividade, auto-conhecimento, respeito, liberdade, lucidez, naturalidade, humildade, compaixão, coragem, compreensão, individualidade, segurança, renovação, criatividade, perdão, amor, generosidade e aceitação são algumas qualidades positivas que podem ser buscadas a cada dia. Enquanto não podemos arrumar toda a casa, quem sabe possamos ficar em uma peça? Quem sabe um móvel de cada vez? Mude para você!           .
   Os outros têm dificuldades de perceber teu esforço em vencer tuas más inclinações. Não se magoe nem se diminua. Sinta a plenitude de ter conseguido vencer a si mesmo. Uma' gota d'água tem de sentir a sua importância diante da imensidão do oceano, assim como o grão de areia é fundamental para o deserto imenso. Você é muito importante para o Uni- verso de Deus. Comece hoje! Muita paz neste fim de semana!

(José Otávio  Binato -  Diário de Santa MARIA, 05/06/2016)

quarta-feira, 25 de maio de 2016

HAJA PACIÊNCIA!

Nada acontece nem antes nem depois de seu tempo, pode reparar.
  
  A sabedoria chinesa nos ensina que a paciência é uma das maiores e mais importantes virtudes. Mas, céus ... Onde ela foi parar? Hoje, a qualidade tão preconizada pelos sábios orientais passa longe do nosso vocabulário e, mais ainda, de nossas atitudes. Neste mundo de correria, stress, violência e cobranças infinitas, estamos sempre ligados em alta voltagem. Corremos atrás do dinheiro, do status, do sucesso, da fama e até do tempo em uma busca sem fim. E tudo para ontem, não é mesmo? Afinal, somos imediatistas, queremos resultados rápidos.
   Você já parou para pensar em quanta angústia, ansiedade e sofrimento isso gera em nossa vida? E em quanto aumentamos o turbilhão nefasto de nossos pensamentos "ouvindo" o balbuciar incessante de nossa mente, que só reclama com essas frustrações?
   Olhe para o céu e questione: ele tem pressa? Pare um pouco e observe uma nuvem se movimentando na vastidão azul do infinito. Ou, então, imagine as águas de um rio fluindo sossegadamente em seu leito em direção ao mar. Muitas vezes, nem chegamos a ouvir obarulho da água se movimentando, já reparou? Ela flui suavemente. Pense em uma flor ainda em botão: ela não tem pressa alguma, porque segue o ciclo natural e espontâneo do Universo. Ela tem o tempo justo para brotar, crescer e florescer. Nem um minuto a menos nem um minuto além do devido. E, como com a flor, nada acontece nem antes nem depois de seu tempo, pode reparar. Por isso, nós também devemos seguir o ritmo do desabrochar. Afinal, tudo tem seu momento certo.
   Que tal começar a exercitar a paciência para saber esperar e cultivar a hora de cada coisa, o instante exato 'e plantar e colher, o tempo do desabrochar e de cada oportunida- de que aparece na vida?
   Precisamos de muito treino para desenvolver essa grande sabedor ia. Dominar nossa pressa depende de intenção e atenção. Mas essa é uma enorme conquista que vale a pena todo o empenho necessário. Sabe por quê? Porque ·paciência e  felicidade caminham juntas. Ao cultivar uma você ganha a outra como consequência natural. Seu corpo fica relaxado e sua mente aquietada, focada no presente, no aqui e no agora. De lambuja, você age com mais precisão, podendo dar  seu melhor.
   Comece escrutinando seus pensamentos e atitudes. Sempre que se pegar impaciente, respire fundo. Faça vários ciclos de respirações profundas e repita um mantra: "A cada dia, estou me tornando mais e mais paciente". Cultive essa prática com as situações e as pessoas.
   Leve-a também para o trânsito, onde o stress costuma vir à tona. Saia de casa com mais antecedência, respire fundo, coloque uma música suave, utilize um óleo essencial de sua preferência - esses truques vão ajudá-la a cumprir sua nova missão. Quando sair com o carro, exercite a paciência dando passagem a outros motoristas. E aí, a cada dia, você se tornará um ser humano melhor, vivendo dentro da compaixão e da compreensão. Como a lei do dar e do receber é infalível, em breve o mesmo estará acontecendo com você e, sem saber, você se tornará uma ferramenta para um mundo melhor!  

(Marcia de Luca – revista CLAUDIA, março de 2016)


sábado, 16 de abril de 2016

CAMINHOS DO CORAÇÃO

    Muitas vezes esquecemos que somos muitos dentro de nós. Vamos nos perdendo nas linhas do tempo. Deixamos de lembrar o quanto já fomos felizes

    Vamos fazer um acordo, eu e você? Deixe a crônica de lado e vá até o Google e digite "Gonzaguinha Caminhos do Coração". Ouça a música de olhos fechados. Deixe a letra tocar de leve a sua .alma. Quem sabe, venha um suspiro "daqueles” lá de dentro de ti. Por
que não? Então, pense um pouco sobre o que a canção nos solicita a refletir.

“Há muito tempo que eu saí de casa
Há muito tempo que eu caí na estrada
Há muito tempo que eu estou na vida
Foi assim que eu quis, e assim eu sou feliz.
Principalmente por poder voltar
A todos os lugares onde já cheguei
Pois lá deixei um prato de comida
Um abraço amigo, um canto
pra dormir e sonhar.
E aprendi que se depende sempre
De tanta, muita, diferente gente
Toda pessoa sempre é as marcas
Das lições diárias de outras tantas pessoas.
E é tão bonito quando a gente entende
Que a gente é tanta gente onde
quer que a gente vá
E é tão bonito quando a gente sente
Que nunca está sozinho por mais
que pense estar
E tão bonito quando a gente pisa firme
Nessas linhas que estão nas palmas
de nossas mãos
E tão bonito quando a gente vai à vida
Nos caminhos onde bate bem
mais forte o coração.
O coração, o coração... “

    Muitas vezes, esquecemos que somos muitos dentro.de nós. Vamos nos perdendo nas linhas do tempo. Deixamos de lembrar o quanto já fomos felizes. O quanto aprendemos com o sofrimento. Os outros nos ajudaram e são fundamentais em nossa vida. Você é único. Por isso, pise firme nos caminhos do seu destino. Use a razão, pois ela te permite entender a felicidade. Só não esqueça do teu coração, das tuas emoções, da ternura, do perdão. Enfim, do amor que precisa explodir no teu peito e fazer feliz tanta gente. Seja feliz!
        
 (José  Otávio  Binato – Diário de Santa  Maria, 14/02/2016)


sexta-feira, 1 de abril de 2016

QUAL EDUCAÇÃO QUEREMOS?

   
    Muitos de vocês já leram Augusto Cury, um psiquiatra que vendeumais de 20 milhões de livros em mais de 50 países, autor da Teoria da Inteligência Multifocal. Hoje, gostaria de citar a edição de “As 10 Leis da Qualidade de Vida”, dos Professores e Pais, publicado pela Editora Rideel. Ele é composto por um livro teórico, um prático e um DVD, mas vou apenas citar as 10 leis para nossa reflexão. A saber: autocontrole, proteger a emoção, impulsionar a criatividade, retomar a liderança do "eu", contemplar o belo, dormir bem e profundamente, transformar os papéis da memória, praticar o diálogo e a arte de ouvir, praticar o auto-diálogo, desenvolver a inteligência existencial.
     Deixo bem claro a necessidade da educação formal que professores e escolas, como um todo, vêm realizando em um esforço sem glória. Muitas vezes, essa educação não é bem entendida por pais e alunos. Ela é a base para voos mais altos, para sedimentar o prazer pelo saber, para desenvolver a autoestima, para socializar, para transmitir valores éticos e morais. Não tenhamos a menor dúvida do valor da educação. Só não esqueçamos que o ser humano é bem mais do que o seu conhecimento e as consequências que o saber produz em nós.
   A ciência, hoje, nos permite avançar em áreas que se confundem. Neurociência, psicopedagogia, filosofia, saúde, sociologia, entre outras, estão a nos provar que somos um potencial. Temos possibilidades imensas de sermos melhores como seres humanos. Quem sabe, entendendo melhor as múltiplas inteligências e, em particular, a multifocal do Augusto Cury, não estaremos melhorando a humanidade? Quem sabe possamos começar por nós? Quem sabe a família, principalmente filhos e netos? Quem sabe em nosso ambiente de trabalho?
     Leia de novo as 10 leis. Pense em cada uma e no seu potencial de transformação, Tenho certeza que dentro de você tem uma semente a espera da coragem, do esforço, do ânimo, da fé para se desenvolver em uma frondosa árvore de amor pelo próximo. Mãos à obra!


 (José  Otávio Binato – Diário de Santa Maria, março 2016)