domingo, 18 de setembro de 2011

SUFOCO

Correria, gente com pressa 
De manhã, de casa pra serviço
De noite, do serviço pra casa
E tome televisão e propaganda
Gente calada, de mau humor
Sem tempo para um papo qualquer
Jogar conversa fora
Conversar abobrinha
Gente sem emoção para chorar
Pela fome e pelo desamor
Ninguém olhando nos olhos de ninguém
Ninguém olhando o céu
Ninguém olhando para dentro de si
Que nada! Cada um só pra si
Todos em seus mundinhos
Pequenos, sufocados, embaraçados
Todo mundo sem ver o horizonte
Todo mundo, inclusive eu
Que nada sei de mim...
                       Wagner Costa

     Procurando em provas que coleciono questões para meus alunos, deparei com o poema acima, o qual me remeteu à meditação sobre como nós tumultuamos a nossa vida com mil coisas e não achamos tempo para ver o que está ao nosso redor e, principalmente, olhar para as pessoas da nossa família, para os nossos amigos, para os colegas de profissão, para aqueles com quem encontramos a todo momento em nosso dia a dia.
      Por isso, estou repassando o poema para quem ler esta página. Que ele possa ajudar a pensar a vida e a torná-la melhor, já que é tão curta e não nos damos conta disso.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial