segunda-feira, 24 de outubro de 2011

HOMENAGEM AO MEU IRMÃO AIMORÉ

Aimoré dos Santos Peixoto
31-01-1948   /  22-10-2011
QUANDO  "EU" NÃO MAIS EXISTIR

Quando "Eu" não mais existir,
procure-me nas flores. Eu serei
o perfume  daquela que você toca.

Quando "Eu" não mais existir,
procure-me na noite. Eu serei a brisa
a penetrar-lhe a alma.

Quando "Eu" não mais existir,
procure-me na chuva. Eu serei
os pingos que caem no seu rosto.

Quando "Eu" não mais existir,
procure-me nas estrelas. Eu estarei
numa delas, só para lhe dizer: Boa noite!

Quando "Eu" não mais existir,
procurem-me no lago. Eu serei seu próprio
reflexo, só para contemplá-lo.

Quando "Eu" não mais existir,
procure-me em si mesmo. Eu estarei
sempre em seu pensamento.

Quando "Eu" não mais existir,
procure-me nos campos. Eu serei um
pássaro que canta nossa música.

Quando "Eu" não mais existir,
Procure-me nas estrelas do infinito.
Eu estarei lá rezando por todos nós.

Quando "Eu" não mais existir,
procure-me no mar. Eu serei as ondas
que virão ao seu encontro, só para lhe dizer:
EU AMO A TODOS VOCÊS.

          Preza-te, Senhor, que os nossos desejos sempre se efetivem. Curvamo-nos perante a tua sabedoria infinita. Que em todas as coisas que nos escapam à compreensão, se faça a tua vontade e não a nossa, pois somente queres o nosso bem e, melhor do que nós, sabes o que nos convém. Dirigimos-te esta prece, ó Deus, por nós mesmos e também por todas as almas sofredoras, encarnadas e desencarnadas, pelos nossos amigos e inimigos, por todos os que solicitem a nossa assistência.
              Para todos, suplicamos a tua misericórdia e tua bênção.
                                                    
AIMORÉ DOS SANTOS PEIXOTO

      Nascido em 31 de janeiro de 1948, em Jaguari/RS, e falecido em 22-10-2011, em Santa Maria /RS. Era filho de Francisco da Silveira Peixoto e Isolete dos Santos Peixoto; neto de Álvaro da Silveira Peixoto e Alexandrina da Silveira Peixoto, Manoel dos Santos e Amanda Garcia dos Santos. 
   Tinha três irmãs: Nadir Peixoto e Nair Peixoto Herte (falecida),  filhas do primeiro casamento de seu pai com Docelina Sampaio, e Iara Peixoto Machado, filha, como ele, do casamento de seu pai com Isolete. 
      Era casado com Ester Nunes Peixoto, com a qual tinha três filhos: Rodrigo, Angélica e Larissa e, também, uma netinha, Isabela, filha de Angélica e Renato.
        Aimoré foi um filho e irmão amoroso, um chefe de família  dedicado e extremoso para com os seus. Como profissional,  foi colega e funcionário estimado. Pessoa muito conhecida em Jaguari, chamava a atenção por seu temperamento alegre e brincalhão: tinha sempre uma “tirada” engraçada para cada um, um “causo” ou uma piada para contar. 
       Era amigo de todos, não importando se pobre ou rico, figura de destaque ou pessoa humilde: com todos conversava, brincava e tratava bem. Por isso, foi muito estimado na comunidade jaguariense.  Adorava caçar e pescar, desde menino, e assim conhecia os cerros de Jaguari como ninguém. Amava muito a sua terra natal, Jaguari, tendo se afastado dela apenas por duas vezes, por motivo de trabalho: Crissiumal (Banco Meridional) e Tupanciretã (Banco do Brasil). Agora, descansa em paz na sua tão amada Jaguari, junto com os bisavós, avós, pais e tios.
          Meu irmão amado, a inesperada doença que se abateu sobre ti em 2010, fez com que te déssemos  valor mais ainda do que antes. Foste um lutador corajoso, que encarou de frente a batalha e não esmoreceu até o último minuto. Mas o inimigo foi implacável e uma doença oportunista desencadeou todo um processo que minou o teu organismo ( já fragilizado pelo “grande dragão”) e te colheu de súbito, quando ainda tínhamos esperança de uma recuperação.  Estamos sofrendo, mas acreditamos firmemente que, se Deus quis que assim fosse, foi para te poupar de sofrimentos maiores num amanhã.
       Descansa em paz nos braços de Deus, que ele saberá te dar a recompensa que mereces pelo homem bom, amoroso e amigo que foste em vida. Nós, aqui, ficaremos contigo para sempre dentro dos nossos corações.
            Felizes os que são amados, porque não morrem nunca!
            Com o amor eterno da tua mana   
                                                                              LALA.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial